[RESENHA] Somos Tão Jovens (2013)


Somos Tão Jovens, interpretado por Thiago Mendonça (2 Filhos de Francisco) é do gênero biográfico, e teve como objetivo fazer um recorte da emocionante e desafiadora história de transformação do até então adolescente Renato Manfredini Jr, que se tornou o mito Renato Russo e como foram seus primeiros contatos com o punk rock, além da sua conturbada relação dentro do Aborto Elétrico, grupo que posteriormente viraria a ser a Legião Urbana e o Capital Inicial.

Fui tomada por uma emoção sem igual ao ouvir os inconfundíveis acordes de Tempo Perdido que deram inicio a esse filme que foi tão esperado (pelo menos por mim!). Os 104 minutos da narrativa mostraram como um rapaz de Brasília na década de 1980, no final da ditadura, criou canções que foram verdadeiros hinos da juventude urbana da época, e que continuam a ser cultuados geração após geração. (Que é meu caso)

Tentando ser o mais parcial possível vos digo: sob a direção de Antonio Carlos da Fontoura, o longa metragem produz fortes ondas de nostalgia pra qualquer fã, e aproxima Renato de qualquer outra pessoa que não o conhecia mais a fundo, graças à atuação impecável de Thiago Mendonça, que incorporou o personagem de corpo, alma, voz, expressões e trejeitos!
Felizmente, isso acabou desviando a atenção da fraca atuação dos outros atores.

A cena da banheira, minha preferida, em que ele finge estar dando uma entrevista (em inglês) foi a que mais me deixou sem rumo e pensando como seria se ele ainda estivesse aqui. Ele diz que seus planos de vida seriam: dos 20 aos 40, seria roqueiro. Dos 40 aos 60, cineasta. Dos 60 aos 80, escritor. É uma pena pensar que ele não tenha chegado nem aos 40, e que hoje poderia estar aqui, cumprindo esse plano.

Lento e acelerado. O filme despeja um punhado de informações ao mesmo tempo, e se quer deixa você parar para respirar (ou secar as lágrimas). E ao mesmo tempo que é rápido, acaba sendo demorado ou talvez cansativo. São 104 minutos de intensidade. Renato foi intenso em seus 36 anos de vida, um filme de 1 hora e poucos minutos não seriam o suficiente para retratar a vida dele.

O roteiro de Marcos Bernsteinn mostrou o que queria mostrar, mesmo tendo deixado, pelo menos em mim, a sensação de quero muito mais, pois foi apenas retratado as principais e mais conhecidas histórias do Trovador Solitário (“pseudo” Bob Dylan), histórias que cada fã que entrou ou ainda entrará na sala do cinema, sabe e conhece. O Aborto Elétrico, as drogas, o punk rock, a homossexualidade, os amigos, sua vontade de ter uma banda, as primeiras canções… Ou seja, talvez possamos esperar  pela parte 2 desse longa metragem, para contar como foi o meio e o fim dessa história que todo mundo conhece. Afinal,  o começo de tudo foi basicamente contado, já que não explorou de maneira mais aprofundada a personalidade de Renato Russo, foi apenas o essencial.

Somos Tão Jovens, ao final, termina da forma mais emocionante que uma biografia poderia terminar!

Força Sempre!

TRAILER:

Gênero: Drama/Biografia
Duração: 104 min.
Elenco: Thiago Mendonça, Sandra Corveloni, Marcos Breda, Laila Zaid, Bianca Comparato, Bruno Torres, Daniel Passi, Sérgio Dalcin, Conrado Godoy, Nathalia Lima Verde e Nicolau Villa-Lobos
Trilha Sonora Original: Carlos Trilha
Roteiro: Marcos Bernstein
Direção: Antonio Carlos Fontoura

Anúncios

2 comentários sobre “[RESENHA] Somos Tão Jovens (2013)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s